Unimos natureza e ciência para cuidar de você

A fórmula da felicidade

A fórmula da felicidade

Publicado: 21 Outubro, 2021 - Actualizado: 7 Novembro, 2023 | 6'

Já ouviste falar da fórmula da felicidade?

O que é a felicidade?

De que forma é que as emoções contribuem para o estado de saúde das pessoas? Segundo a Real Academia Española, a ‘felicidade’ define-se como um “estado de gratificação espiritual e física”, uma “pessoa, situação, objeto ou conjunto deles que contribuem para a felicidade” ou a “ausência de inconvenientes ou obstáculos”.

O que é a felicidade realmente?

Estas diferentes definições variam de acordo com a interpretação de cada pessoa na sua própria busca da felicidade. Neste sentido, é difícil definir globalmente quais ações, eventos ou situações projetam um estado de bem-estar emocional pleno entre as pessoas.

Encontrar aquilo que nos faz felizes depende das preferências e prioridades que cada um projeta sobre a sua vida.

Estatísticas sobre a felicidade

No entanto, os últimos dados refletidos no Relatório Ipsos Global Advisor on Global Happiness 2019, no qual participaram 28 países de todo o mundo, não trouxeram boas notícias para a situação atual da felicidade dos espanhóis.

Traduzido em números, detalhava-se que apenas 46% dos inquiridos no nosso país afirmava ser feliz, colocando os espanhóis como os menos felizes da Europa e os penúltimos no mundo inteiro, acima da Argentina.

Índice de felicidade 2019

Fonte: Estudo sobre a Felicidade Global

As hormonas da felicidade

No entanto, alcançar um estado de felicidade plena parece ser uma tarefa a ser trabalhada entre a população espanhola. Algo sobre o qual as chamadas ‘hormonas da felicidade’ têm muito a dizer. De facto, geralmente, encontrar o equilíbrio entre elas apresenta-se como um propósito necessário para produzir sensações de bem-estar e felicidade no dia a dia.

Um estado emocional que, por sua vez, proporciona saúde ao organismo, gerando efeitos positivos no seu funcionamento. Desta forma, saber com que emoções estão relacionadas cada uma delas e trabalhar a sua estimulação apresentam-se como funções necessárias para encontrar esse estado de saúde ótimo e agradável:

  • Serotonina

Esta hormona é conhecida como a ‘hormona do bem-estar’, responsável por gerar sensações de satisfação, relaxamento, bem-estar e aumento da autoestima. A sua produção depende de um aminoácido fundamental na nutrição chamado triptofano, que se obtém através de alimentos como cereais, ovos, massas, laticínios e arroz, entre outros.

  • Endorfinas

São as responsáveis por inibir a transmissão da dor e estimular as áreas do cérebro que produzem prazer. Para isso, é importante considerar que dedicar-se a atividades prazerosas e divertidas ajuda a aumentar consideravelmente a produção dessas hormonas.

Neste sentido, para estimular a produção de endorfinas, recomenda-se alcançar objetivos, relaxar, rir e manter uma rotina de exercícios regulares, entre outros.

  • Ocitocina

É considerada a hormona responsável pelo amor e é responsável principalmente por promover a segurança em si mesmo perante relações emocionais. Para estimulá-la e gerar bons níveis de ocitocina, é recomendado dedicar tempo à meditação, à prática de exercício físico, ao contacto físico e até mesmo chorar, pois desta forma também se libertam certas emoções.

  • Dopamina

É uma das hormonas mais conhecidas do sistema nervoso, responsável por gerar sentimentos de satisfação e motivar a realização de atividades de forma proativa. Para estimular a produção de dopamina, aconselha-se dedicar tempo à prática de exercício físico, meditar e aprender a controlar emoções e também ouvir música.

Saúde e Bem-estar Emocional

No contexto de uma vida cheia de saúde e bem-estar emocional, há exatamente oito anos, o Reino do Butão propôs às Nações Unidas que se implementasse um dia no ano para lembrar a importância de ser feliz na vida. Além disso, esse dia ajudaria as pessoas a encontrar esse estado de bem-estar ótimo e, portanto, manter uma boa saúde interior e exterior.

Felicidade

Dia Internacional da Felicidade.

É por isso que 20 de março é conhecido, em outras palavras, como o Dia Internacional da Felicidade. Na verdade, e para reforçar essa ligação entre felicidade e saúde, é possível encontrar estudos que relacionam os efeitos do bem-estar emocional em vários aspectos da saúde física, como o publicado há três anos em ‘Applied Psychology: Health and Well-Being’.

Dessa forma, encontrar formas acessíveis para alcançar essa felicidade plena parece ser possível se levarmos em conta as ações diárias. Saber adaptá-las à rotina de cada um e aprender a diferenciar e canalizar aquilo que realmente nos faz felizes ajudará a trabalhar para obter um estado de maior bem-estar psicológico e saúde.

Conselhos para melhorar a felicidade

Segundo os especialistas, estas são algumas das ações que podemos tomar para alcançar um estado de maior bem-estar psicológico e físico:

  • Siga uma alimentação saudável.

Todo o mundo já ouviu alguma vez dizer que “somos o que comemos”. Dedicar tempo à cozinha e desfrutar da elaboração de pratos saudáveis para o bem-estar do corpo tem um impacto positivo na busca dessa felicidade e paz interior tão desejadas. Incorporar à rotina diária alimentos naturais e livres de químicos tóxicos é fundamental para alcançar uma saúde plena e reconfortante.

Além disso, em situações em que seja necessário um aporte extra de minerais e vitaminas, também se recomenda complementar a dieta diária com suplementos alimentares que proporcionem ao organismo um extra de vitalidade para situações de maior esforço.

  • Exercite a mente e o corpo.

Manter-se ativo também é sinónimo de felicidade e bem-estar, tendo em conta não apenas o cérebro, mas também o corpo propriamente dito. Por isso, encontrar novas motivações que nos mantenham despertos e ativos responderá positivamente à saúde do organismo. Além disso, encontrar motivação pela prática desportiva e dedicar-lhe parte da nossa rotina diária também ajuda a potenciar e favorecer o exercício da memória.

  • Mantenha relações pessoais positivas.

A felicidade contribui para manter um bom equilíbrio das chamadas ‘hormonas da felicidade’. Aprender a rodear-se de pessoas positivas e eliminar qualquer vestígio de relação tóxica é prioritário para gerar saúde e bem-estar ao organismo.

  • Defina as suas prioridades na vida.

A concretização de objetivos mantém-nos sempre acordados e ativos em relação ao seu desenvolvimento. Neste sentido, contribuímos também para que a mente e o corpo se mantenham sempre em ação. No entanto, saber definir o que é realmente importante para cada um, seja em relação ao trabalho ou às relações pessoais, ajuda-nos a gerar e sentir emoções positivas, que por sua vez favorecem a saúde e o bem-estar psicológico das pessoas.

  • Gerir as emoções.

Cometer erros nunca deve ser interpretado como sinónimo de fracasso. Aprender com eles e saber manter a calma perante situações desse tipo é o que realmente importa para aprender a viver felizes e libertar cargas negativas. Alcançar esse grau de maturidade emocional contribuirá para alcançar sucesso tanto na vida pessoal como profissional.

Conclusões, equilibre a sua felicidade e saúde.

Em conclusão, alcançar um estado equilibrado em que a felicidade e a saúde fluam na mesma direção depende muito da forma como cada pessoa projeta e procura esse estado de bem-estar físico e emocional. Priorizar ações diárias que estimulem a produção das chamadas ‘hormonas da felicidade’ ajudará a sentir-se muito mais saudável tanto por dentro como por fora.

“A felicidade começa quando nos amamos e cuidamos de nós mesmos (por dentro) e isso reflete-se no exterior, trazendo felicidade aos outros.”

 



DESCUBRA O CATÁLOGO DE PRODUTOS MARNYS